Mas quem se importa?

O sol nem abriu ainda e as lágrimas já me venceram. 
Fará frio nos próximos dias. Não sei quanto tempo vai durar. 
Uma ameaça me ronda como se fosse me devorar a qualquer instante e eu quase não recuo, simplesmente porque estou cansada de fugir, não sei até quando isso vai durar. 
O coração palpita desenfreado e eu pensei que fosse o café, mas não é. 
Nessa hora, falei baixinho que milagres não existem, depois me repreendi. 
Foi inventando algumas distrações que consegui atravessar as horas, agora voltei à pele e o cômodo é vazio novamente e todo o afastamento, agressivo, quando vi havia deixado pra trás um pedaço de mim mesma e o desnorteio soou amigo. 
Qualquer abrigo é confuso e o diafragma se descontrola cheio das coisas mal ditas. Dor apertada e contínua na garganta. 
Algo rompeu.


Comentários

  1. Texto que não fala de você.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 'Só o dono da dor sabe o quanto dói'.
      Obrigada por se importar, anônimo.

      Excluir
    2. Tem razão. Tudo se resume a se importar...

      Excluir
    3. Só se pode falar do que conhece. Você não me conhece.

      Excluir

Postar um comentário