Rasgados

 Ele me tocou. E a estranheza do meu coração é sentir que esse toque arde, queima mesmo com esse frio. Tudo virou desencontro. Eu vomitei a falta dos teus olhos como um vulcão furioso, enquanto aquela música servia de marcha fúnebre pra esse amor distante. Nunca a lua esteve tão bonita e tão triste. Todas as palavras quebradiças na escuridão, viraram silêncio, daqueles que gritam por dentro e me emudece. 
 Como o silêncio dói! Como o silêncio dói, querido!
 Eu vesti seus medos pra te proteger dos meus, mas a fragilidade é tanta em minhas mãos, que foi distração pensar que poderia salvar você ou a mim. Disfarcei mal minha covardia e os dias vão passando, arrastando nós dois. Foi na minha confusão, que meu olhar se perdeu. Nos perdemos.
 Agora, tua ausência é um despertador pontual que me atormenta, atraso nenhum alivia esse vazio repugnante que crava e sai rasgando o peito. É difícil respirar com a garganta apertada com um nó melancólico. 
 Como o fim dói! Como o fim dói, querido!

Comentários

  1. A ausência doí machuca, a saudade dá porrada constantemente e quem fica marcado da surra é o coração.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  2. Que dor! É sempre muito difícil superar essa dor da ausência. Descreveu muito bem os sentimentos.
    Abração e linda semana.

    ResponderExcluir
  3. Texto cheio de sentimento de tristeza. a ausência dói e machuca e muito. Gpostei de ler.

    Beijo de boa noite

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  4. O silêncio e o fim se encontram naquilo tudo que nós fomos e tentamos fazer, naquilo tudo que nos demos ou tentamos esconder. O silêncio e o fim se encontram para nos dizer que tudo se perdeu, que o tu e que o eu nunca mais seremos nós. E como dói! E como ausência é fria! E como o calor da alegria parece distante no mundo errante dos abandonados. Resta apenas o silêncio e o fim, para todas as continuidades... e para todos os lados...
    Não sei que me deu que há tempos não te visito! Nada menor que a insensatez, decerto! Teus poemas, em verso ou prosa, são esplendorosos!
    Beijossssssssss

    ResponderExcluir
  5. Já passei por isso, o pior é que é uma dor que agride o corpo, a alma, a sanidade. De tanto sofrer decidi que só vou amar quando for para valer, quando for para ser correspondida, esse é o meu padrão agora :)
    Belo texto, mesmo que tão carregado de tristeza.

    ResponderExcluir
  6. Belíssimo texto!

    Beijo
    Estou aqui:-http://quadrasepensamentos.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  7. Doi, sim, meu bem. Toda sua sensibilidade me comove. ''Agora, tua ausência é um despertador pontual que me atormenta'' Que bonito!... dói

    ResponderExcluir
  8. Eu sou tua fã, mulher.
    Mulher lindamente abismal.

    ResponderExcluir
  9. O fim sempre marca nossas vidas.
    Lindo texto.

    ResponderExcluir

Postar um comentário