Rasgados

   As suas palavras insolentes são as armas que você tem pra me afagar? Eu pergunto, já farta de toda a farsa, de implorar amor e vestir mais uma capa de conformismo. Lanço os olhos atormentados sobre a pele morena e os olhos cálidos e quero correr pra longe dele, mas meus pés desobedecem e a única coisa que sinto é o sacudir agitado dentro do peito. 
   Ele nada diz, faz menção de me abraçar e eu suspiro, em desalento, porque sei que o abraço dele me confunde. Ele também sabe. Ele tem um olhar envolvente, e o meu, de pessoa cansada depois do expediente, quer um norte. Ele toca meu rosto suavemente, mas eu sei que só está querendo me render. Eu satisfaço as taras, aceito seu corpo rebelde junto ao meu cobertor. E logo pela manhã, ele se vai. E volta em qualquer entardecer. 
   Ele me beija devagar e eu acho que é o fim. Das minhas forças. Ele é um acidente grave. Me deixa aos pedaços. Ele é uma descarga elétrica de indiferença e consegue o que quer. Envolta pelos braços magros, penso nas malas que estão prontas há tempos, à espera de conseguir entrar dentro do coração dele. E penso nesse tempo irrecuperável. 
   [...] 
   Me desprendo e o olho devagar. Dois passos pra trás. Quando me viro e continuo andando, o ouço me chamar. Mas logo ele se cala e eu, agora, distante, juro que é a última vez que eu fracasso dizendo adeus.


Comentários

  1. Existem homens de sorte. Serem desejados não é para qualquer um. Também existem os mal agradecidos...ou seja: Existem pessoas....e existindo pessoas...existe de tudo na questão dos sentimentos

    Cumprimentos.

    ResponderExcluir
  2. Não fazer nada também é uma escolha.
    Muito bom o texto :)

    ResponderExcluir
  3. Por vezes somos mais fortes em deixar algo ir, do que manter. Beijinho :)

    ResponderExcluir
  4. Devemos escolher o que for melhor..
    Adorei o texto

    Bom fim de semana

    Beijos

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  5. A imagem ilustrou bem tuas palavras. Saudade de viver esta confusão gostosa, entre o ir e o vir: amar. E sentir, e errar, e aprender.

    ResponderExcluir
  6. Que lindo texto, inspirador. E que não seja apenas o que nos convém, mas o que deve ser feito. Adorei! Beijo

    www.iamcamilakellen.blogspot.com
    *Rumo aos 200 seguidores

    ResponderExcluir
  7. Gostei muito do texto *-*
    Bjnhs
    http://karoline-o-meu-melhor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Escolhas não são fáceis de fazer, mas há momentos que é preciso deixar a razão falar mais alto se quisermos ter paz. Lindo fim de semana. Parabéns pelo texto.

    ResponderExcluir
  9. [ lembrei-me da minha mãe
    que repetida vezes me disse:
    - Não te envolvas tanto! ]


    beijo

    ResponderExcluir
  10. A vida é feita de escolhas...
    Bom fim-de-semana ;)

    ResponderExcluir
  11. Simone.... outra obra prima que leio aqui!!!!
    A tragicidade de um amor unilateral... o desespero do sentir o desapego do outro em relação a nós.... É duro amar e não ser amado, ou no mínimo, o outro não demonstrar da mesma forma, o amor que lhe devotamos....
    O final é lindo:
    " Me desprendo e o olho devagar. Dois passos pra trás. Quando me viro e continuo andando, o ouço me chamar. Mas logo ele se cala e eu, agora, distante, juro que é a última vez que eu fracasso dizendo adeus...."

    ResponderExcluir
  12. SIMONE,

    tomara que você possa cumprir a sua palavra, afinal o fracasso do adeus é ácido!

    Muito.

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  13. Não sei qual é o pior, a incerteza, a sensação de sentir-lo se esvaindo pelos dedos ou a partida mesmo que dilacerando tudo... Somos tão fracos diante do amor, ou sei lá como chamar isso... Belíssimo amiga, paabéns. Bjussss

    ResponderExcluir
  14. Adorei o texto e segui!
    Novo post! hashtagwwgu.blogspot.pt

    ResponderExcluir
  15. Há pessoas que só nos fazem mal, o melhor mesmo é o adeus.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  16. Amei o texto...verdades e desabafo em suas linhas :)

    Beijos!

    ResponderExcluir
  17. ''Ele me beija devagar e eu acho que é o fim.''

    Que texto, hein?!

    Li como se não houvesse vírgulas.

    ResponderExcluir
  18. Gostei muito do testo onde existe sentimento e um grito de ausência.
    Fiquei seguidor
    Gostaria que também visitasse o meu blogue. Se entender não entrar, saberei entender.

    http://deliriosamoresexo.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  19. Oii, tudo bem?
    Te indiquei em uma tag :) Espero que goste

    http://minhaqueridasophia.blogspot.com.br/2014/11/tag-7-coisas-que-me-fazem-sorrir.html

    ResponderExcluir
  20. Ele me beija devagar e eu acho que é o fim.

    Um carinho sedutor que arrasa qualquer coração

    Quer seguir-me:

    http://deliriosamoresexo.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  21. Tratando-se do amor é difícil não se render, na verdade, esse sentimento nos torna livres, mas aprisionando... É um paradoxo delicioso. No entanto, quando somos rendidos por nossa falta de valor, o adeus dói, contudo, é necessário, já que é preciso assumir que merecemos o melhor...
    Beijos!

    ResponderExcluir
  22. Que o caminho prossiga, sempre em frente

    ResponderExcluir
  23. Ir embora, por vezes, dói mais do que ficar e aceitar essa situação triste de quem ama sozinho. Mas quando o corpo - e o peito, cansam de lutar sozinhos a despedida se torna a única solução.
    http://www.novaperspectiva.com/

    ResponderExcluir
  24. é difícil tomar uma decisão e não olhar para trás. a gente precisa ser forte. ou as vezes, a gente não precisa ser forte, a gente só precisa se entregar.

    ResponderExcluir
  25. Em frente é que é o caminho!

    Espero que tenhas um bom fim-de-semana!
    Beijinhos*

    ResponderExcluir
  26. Texto bonito e doloroso... penso que todos passamos por algo parecido.
    A vida é mesmo assim... um misto de alegrias, tristezas, desilusões e também boas surpresas.Boa sorte... para a frente é caminho. :)

    ResponderExcluir
  27. Você não está sozinha nessa farsa em que dizemos "nunca mais". Isso sempre se torna mentira quando os olhos que amamos aparecem repletos de ilusões infindáveis...

    Muito bom. Curti o teu blog e a tua escrita também, Simone. Me lembrou os tempos em que eu mestrava turnos rpgistas...

    ResponderExcluir

Postar um comentário