Sobre mãos e corações

Oi Laura,

   Essa é a primeira vez que você me lê depois que a gente tomou rumos diferentes. Pra ser sincero, tenho várias folhas escritas aqui, prontas pra te mandar, mas sempre falta coragem. Ou foi a lembrança do que passou que me impediu? O incerto é que eu não sei com que sentimentos seus olhos passeiam por essas linhas... Seria, quem sabe, esperar demais, que seu coração batesse mais forte, ou que você se sentisse um tanto confusa e relembrasse nossos momentos mais felizes com uma grande saudade? Me diga, seria esperar demais? É como eu me sinto quando escrevo pra ti, quando penso em você antes de dormir, principalmente, ou quando vejo o por do sol. Tenho saudade de te ver saindo do banho de toalha, do seu sorriso gostoso e da maneira como seus olhos mergulhavam nos meus e ficavam. Ai que saudade desses teus olhos, Laura!
   Sabe o que me fez escrever e te mandar mesmo, dessa vez? Vi você no sábado, no Café, aquele em que íamos juntos, sentada na nossa mesa, no canto. E tive esperanças de te ter de novo. De que você me quisesse ter de novo também. Por que então, na nossa mesa? Fiquei bobo, te olhando da rua, quase entrando pra falar com você... Mas, não. De novo, deixei o tempo passar e você ir embora. O vento batendo no seu cabelo, fez meu estômago doer... Lembro dos meus dedos perdidos nos teus cabelos, sumindo devagar entre eles, e te fazendo fechar os olhos e sorrir com cara de preguiça.
   Você é linda, Laura! Por dentro e por fora!.
   Eu não sei o que você está pensando disso tudo... e estou vulnerável...
   Eu amo você, Laura. Amo muito. Você é minha vida. Eu continua sendo nós. Eu errei com você. Te perdi. E me sinto perdido também. Mas, sinto que você ainda me ama, ama? e que seu coração ainda bate no mesmo ritmo do meu. Eu quero ser melhor pra você, se você deixar. Quero te fazer feliz. Muito.
   Eu vou te esperar no Café, e se você não aparecer hoje, vou estar te esperando amanhã, e depois, e depois, até você decidir. E eu espero, sim, porque você vale toda a espera que houver.

Sempre e Pra Sempre. 

Tom.



*Tom esperou três dias. No sábado, a porta do Café se abriu e Laura entrou.


Comentários

  1. Moça, com esse texto conseguiu arrancar de mim um suspirio e algumas lágrimas. Fiquei feliz quando li a ultima frase, por ela ter dado uma nova chance para os dois...

    Muito lindo, Best.
    Estava inspirada, não é?
    Teamo!

    ResponderExcluir
  2. Que bonitinho. Gosto dessas historias. *-* Tenha um bom e inspirador dia!

    ResponderExcluir
  3. Tempo, vale a pena esperar...
    Beijos...
    Bom feriado!

    ResponderExcluir
  4. AI, MEU DEUS...

    Diz que vai ter continuação, Simone, diz, please?

    Preciso ler mais.

    =D

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  5. ai que história de amor linda, também ja tive muita esperança de que alguém me amasse e entrasse pela porta! :x

    http://oamorhadevencer.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Postar um comentário